Autoestima, o que é?

0
247

O que me levou a escolher o tema da autoestima para ser o primeiro assunto abordado por mim aqui no blog, foi uma conversa bem interessante com uma amiga. Essa minha amiga é a personificação da beleza, ela corresponde ao estereótipo da beleza que a sociedade impõe e vai além, pois sua personalidade erradia charme além das características físicas.

Só para ilustrar a “maravilhosidade” da mulher queria que vocês a visualizassem. Ela deve ter seus 1,70m, pernas longilíneas e torneadas, a bunda empinada, cintura e barriga delineadas, as orelhas lastreadas de piercings, uma boca sempre corada por batons vermelhos, a pele bronzeada de quem mora no litoral. Apreciadora dos bons drinks, estudiosa, concursada, mãe, ganhou uma corrida três meses após ser mãe, de bem com a vida, e não vive julgando os outros. Dá pra entender o motivo de eu ser sou fã dela né?

Pois bem, certo dia eu conversando com ela e outra colega, que sabe tudo dos procedimentos estéticos, começamos a falar sobre o que cada uma faria, e essa minha amiga maravilhosa, ficou super abalada com a conversa, deu para perceber que naquele momento ela só enxergava tudo o que queria que melhorasse. E me surpreendeu muito quando ela falou que já chegou a chorar se olhando no espelho. E isso me chamou muito atenção, não fazia sentido, uma pessoa como ela, se sentir dessa forma. E pensei quantas vezes eu fiz o mesmo. E que eu jamais criticaria uma amiga, uma irmã, como as vezes me critico.

A visão que temos de nós mesmas muitas vezes pode ser distorcida, pegamos parâmetros externos e usamos para nos validar, e esquecemos que esses parâmetros são frutos do mercado, e muitas vezes transitórios, e que além disso nos estimulam a ficarmos insatisfeitas com nós mesmas. Dia desses as sobrancelhas consideradas bonitas eram as finíssimas, hoje o padrão é que sejam cheias e arqueadas, amanhã não se sabe. Então não faz sentido se açoitar psicologicamente por causa disso. Se cuidar é uma coisa, se maltratar em nome de um padrão de beleza é outra.

Esse acontecimento fez eu encara a autoestima como sendo a capacidade de se olhar com o olhar generoso de uma amiga. Sejamos amigas de nós mesmas, e façamos por merecer essa amizade.

Texto por Tamara Araújo.

Artigo anteriorAutoestima, como ela vem…
Próximo artigoParanoia…
Avatar
Jéssica Araújo, 28 anos, contadora por formação e blogueira por paixão e opção. Desde 2017 que começou a criar conteúdos online e viu a oportunidade de trabalhar com publicidade no instagram, no qual virou sua nova profissão. Em 2018 fez o curso de Imagem e Moda pelo Instituto En Moda em busca de conhecimento. Desde então dedica seu trabalho integralmente ao blog, as redes sociais e ao canal no youtube.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui